A Midsummer Night’s Post

Estive um tanto ou quanto afastado do Royal Cafe nos passados meses e não me orgulho disso.

Por outro lado, orgulho-me de algum do trabalho que se definiu prioritário nos últimos tempos e que, de certa forma, me ocupou a genica e iniciativa que até então canalizava para o desenvolvimento deste espaço. Criei um novo embrião que, ao que tudo indica, vai ver luz nos próximos meses – a rodagem do filme já está marcada e aguardo ansioso pelo resultado final do mesmo – e estou bastante satisfeito com o meu contributo para o mesmo. Pela primeira vez escrevi uma longa a partir de um tema que me foi sugerido e creio que, polindo-o à minha medida, lhe consegui dar uns contornos bem interessantes. Pelo menos consegui deixar-me ansioso, enquanto espectador, de ver em tela determinadas sequências que, com o contributo necessário dos actores, realizador e demais elementos técnicos, podem denotar uma certa espécie de magia cinematográfica. E isso, a meu ver, essa ansiedade propícia de jovem criador ‘babado’ (ou orgulhoso, em eufemismo) pelo seu trabalho, já é um bom começo. Ou, aliás, o começo exemplar. Nenhum criador deve sentir que a sua obra toma forma sem ir de encontro ao seu agrado e às desejadas emoções que provoca. Em simultâneo, é igualmente errado saber que a sua obra só lhe agrada a si. Ser verdadeiro consigo próprio. Nunca egoísta. A comunicação faz-se de forma bilateral. Pelo menos, falando de cinema.

Posto isto, e porque me tenho sentido em pertinente dívida para convosco, caros clientes e usuários do Royal Cafe, obrigo-me a actualizar-vos com algumas das experiências vividas nestes meses de Verão.

Estive um dia no Primavera Sound 09 e presenciei algumas das boas surpresas musicais do evento. Num dia em que os consagrados Bloc Party, Jarvis Cocker ou Bullet For My Valentine centravam a maioria das atenções, foi pelos diversos palcos constituintes do espaço Primavera (no aprazível Forum de Barcelona) que encontrei os pontos fortes da noite. Bem cedo cheguei ao clímax da tarde/ noite. E bastaram, para isso, apenas 3 músicas. Mas 3 músicas de Kitty, Daisy and Lewis não são só 3 músicas. Em jeito de showcase, o jovem trio de irmãos britânicos (acompanhados pelos seus pais e por um trompetista convidado), conseguiu reunir centenas de curiosos que, em poucos minutos, criaram a sua própria festa, swingando irresistivelmente aos acordes e melodias do carismático conjunto.

Deixo-vos uma imagem.

Barcelona Várias 030

E o myspace.

Noutro palco, mais tarde, dancei entusiasmado com o rock envolvente e festivo dos The Extraorinaires. Soaram-me a uma espécie de Sublime meet Beach Boys meet Beatles meet Franz Ferdinand. Gostei bastante e recomendo vivamente.

Deixo imagens.

Barcelona Várias 060

Barcelona Várias 063

E o myspace.

A outra grande experiência da noite deu de seu nome Dan Deacon Ensemble. Um espectáculo impressionante de interacção com o público, de mutação rítmica e crescendos estrondosos, de impressionismo visual em palco (seja pelos dotes técnicos dos intérpretes ou simplesmente pela inúmera colecção de adereços e membros do Ensemble). Não conhecia o projecto, nada esperava dos mesmos. Saí maravilhado, completamente atordoado no bom sentido e rendido à verdadeira experiência que é uma actuação de Dan Deacon Ensemble. Aliás, recomendei-o de imediato a amigos próximos, dado que no dia seguinte actuaram no Serralves em Festa. Dan Deacon Ensemble não é uma promessa, mas sim uma certeza. Pura diversão garantida.

A melhor imagem que consegui, entre pelos arrepiados e coração a elevadíssimos BPM’s.

Barcelona Várias 008

E o myspace.

Sinal positivo para Bat For Lashes, Bloc Party e The Pains of Being Pure At Heart. Nota de total incompreensão para Sunn O))) (e tive lá mais de meia hora a tentar perceber no que é que aquilo dava, sem sucesso).

Finda a boa experiência que foi ‘viver’ o som da Primavera (fiquei muito entusiasmado com futuras edições, dada a excelente montra de música alternativa que o festival apresenta), passo à enumeração de alguns álbuns que têm merecido a minha atenção neste verão de 2009:

– Os nossos Sean Riley & The Slowriders, com um excelente regresso em “Only Time Will Tell”;

– O senegalês Baaba Mal e o seu recém-editado “Television” (já me havia agradado a sua colaboração no projecto “One Giant Leap”);

– Os Ep’s e Myspace de Bark Cat Bark, jovem prodígio cidadão do mundo, que ao estilo de Zach Condon/Beirut, consegue criar as melodias mais interessantes da música folk actual;

– O sempre louvável regresso de Dave Matthews Band com “Big Whiskey And The GrooGrux King”;

Patrick Wolf, com “The Bachelor”;

Regina Spektor, com “Far”;

Tony Allen, com “Secret Agent”;

Rodrigo Leão and Cinema Ensemble, com “A Mãe”;

Florence and The Machine, com “Lungs” e o fantástico single “Rabbit Heart (Raise It Up)” (que não me canso de ouvir em modo repeat).

Estes álbuns e mais alguns compõem a minha versão de “On The Road”, de Jack Kerouac, apaixonante livro que me tem acompanhado ao longo deste verão de 2009, emprestando uma banda-sonora mais actual à incrível road-novel que influenciou e “baptizou” a  invejável geração beat. Partilham também uma quota-parte na inspiração que me proporcionou chegar ao resultado final do já referido guião. Para mim não existe imaginação sem uma identidade musical que a acompanhe. Seja a ler. Seja a escrever.

Por fim, quero só deixar uma nota sobre os 3 últimos filmes que vi. Curiosamente, tratam-se de 3 filmes que me irão influenciar o estilo de escrita por muitos e longos anos, como filmes referência. E, igualmente curioso, são os 3 completamente distintos uns dos outros.

“Elizabethtown”, de Cameron Crowe (2005)

eliz

Gosto bastante da obra de Cameron Crowe. É um dos meus maiores modelos de guionista/realizador. “Almost Famous” e “Jerry Maguire” tocaram-me bastante, no seu tempo e “Elizabethtown” andava debaixo de olho há já algum tempo. Confesso que o início do filme até me estava a desagradar, em jeito de cliché desinteressante (excepto a voz off inicial que está bem conseguida) e de retrato de desespero gratuito e pouco convincente. Contudo, com o desenvolvimento do filme, observamos também uma criação de um humor muito próprio, muito subtil, muito negro e, consequentemente, muito interessante. A história de amor habitual cedo se desmistifica numa linguagem singular, informal e entusiasmante. A sequência da conversa por telefone entre Drew e Claire deambulará por muitos anos na memória do espectador, tal como a magnífica actuação de Susan Sarandon (que actriz gigante!) no memorial do falecido marido (que texto tão brilhantemente escrito e que emocionante cena tão bem conseguida – é mesmo o clímax do filme, exemplo de clímax que todos nós argumentistas buscamos incessantemente) e toda a música que Crowe justificadamente selecciona para a banda-sonora ajudam a tornar a visualização de Elizabethtown uma experiência comovente e inesquecível.

Como pequeno anexo queria só apontar um pormenor que genialmente sintetiza toda a mensagem do filme – O personagem de Orlando Bloom encontra, no final e após uma interessante road trip pela América profunda, a felicidade total junto da sua amada (Kirsten Dunst), na 2ª maior feira de agricultores do Mundo. Porquê 2ª maior? Porque os segundos são os primeiros dos últimos. Os primeiros dos fracassados. E o filme não é sobre um fracassado que, em situação de total desespero, encontra um motivo de felicidade? Pormenores que fazem a diferença. E tornam as coisas grandiosas.

Em “Cloverfield”, de Matt Reeves (2008), descobri outro pormenor igualmente interessante e igualmente genial.

cloverfield_ver2

Achei toda a experiência da sua visualização algo deveras interessante. Porque, de certa forma, inova em conceito (apesar de outras tentativas como O Projecto Blair Witch já o terem explorado) e em técnica. Mais em técnica, digamos. Porque “Cloverfield” fá-lo, arrisca uma invulgar linguagem cinematográfica, desafiando a predisposição do espectador. Mas fá-lo mesmo muito bem. Ao longo do filme eu só pensava que tudo tinha sido muito bem estudado neste filme. Todo o movimento de câmara, todo o jogo de actores, toda a acção que decorre repleta de CGI e, acima de tudo, todo o espectador. Porque é um risco colocá-lo em primeira pessoa, torná-lo parte da estratégia a que se propõe. Mas “Cloverfield” consegue-o tão bem, consegue ‘manipular’ o espectador através de uma suposta gravação amadora de handycam que, a determinado momento do filme, nós já nem nos damos conta do brilhantismo que engloba toda a criação do filme. E, na sequência em que os personagens atravessam de um prédio para outro que está torto e desnivelado do solo, o personagem que transporta a câmara ao longo de quase todo o filme coloca-a no solo e esta, automaticamente e dado o desnível do solo, desliza por si própria até esbarrar numa pequena pedra que a ampara e permite continuar apontada para o centro da acção. Mais uma vez, um pormenor técnico que abrilhanta o todo. Que passa quase despercebido, mas ajuda a resultar. E a perdurar. “Cloverfield” é uma experiência única de acção e interacção com o conhecimento comum cinematográfico do espectador, impondo uma linguagem inovadora e desafiando-o a viver uma experiência de uma forma mais realista. Conseguiu vingar no que se propôs. E, assim, torna-se uma referência na história do cinema.

Por último, e porque o vi ontem, “Sunset Boulevard”, de Billy Wilder (1950).

sunset-boulevard-blvd

O que dizer desta obra-prima? O que dizer desta narrativa tão única e genial que se torna épica? “Sunset Boulevard” é um filme arriscado sobre a indústria de Hollywood (e do mundo do cinema, um pouco por toda a parte), lugar esse que vinga através das caras famosas e dos mitos que gera, em desprezo de inúmeros profissionais talentosos que dão tudo para que um filme se concretize e perdure (o contraste entre o fascínio que uma ex-glória do grande ecrã promove sobre os demais entusiastas pelo meio, e não só, e a festa dos “secundarizados” cargos técnicos do mesmo – guionistas, assistentes de realização e demais técnicos paralelos à fama e ao sucesso). “Sunset Boulevard” é uma atroz crítica ao glamour que Hollywood origina e à obsessão que os seus intervenientes obtêm com o passar dos anos, no confronto com o esquecimento (que triste foi observar Buster Keaton reduzido a desinteressantes jogos de Bridge entre esquecidas velhas glórias), uma análise ao poder material que o sucesso no meio origina e uma acusação aos prolíferos estúdios norte-americanos que, sem escrúpulos, desenvolvem uma gigantesca indústria doentia. A sequência final da escadaria é memorável, de negra e doentia, o famoso desejo de Close-Up de Norma Desmond é um marco na história do cinema, uma provocação inteligente a todos os espectadores que, por sua vez, são a razão principal da existência dessa indústria. “Sunset Boulevard” não se descreve. Vê-se e admira-se. Até porque, pelo meio de tudo isto, é um filme noir com um ritmo impressionante. E com diálogos memoráveis a la Billy Wilder.

Soube também este Verão que Cameron Crowe registou em livro 1 ano de entrevistas suas a Billy Wilder, de seu nome “Conversations with Billy Wilder”.  E, de forma natural, assumiu-se como o topo das preferências na minha listinha de compras.

Até breve. O Royal Cafe vai muito em breve retomar a sua programação cultural, com muitos e bons convidados.

Cumprimentos do Proprietário.

Anúncios

One thought on “A Midsummer Night’s Post

  1. Leonardo diz:

    Olá,
    Sigo o teu blog há alguns meses e, sendo eu também um aspirante a argumentista, é com interesse que leio as tuas impressões e anseios sobre a escrita de um argumento.
    Também eu nos próximos meses vou tentar escrever o argumento de uma longa a partir de uma história da qual já foi delineado o esqueleto. Confesso que é uma coisa que anseio fazer há algum tempo, mas que simultaneamente me assusta um pouco.
    Será que não podes revelar os temas que vai ser aborados no filme e também um pouco da sua história? (é que fiquei curioso)
    Boa sorte para o teu filme e aguardo notícias tuas sobre o mesmo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: